29 de Flagstaad do Ano Livre 23
Reverência do Sacerdote , Ano 48 do 190º Ano-Rei



Buscar
em

Rompendo Padrões em Criação de Encontros, parte I Projetos: Outros



Caso você dê uma olhada na maioria das aventuras oficiais da Dungeon ou da WotC, você verá padrões. Padrões similares ou levemente diferentes, apesar dos autores inovadores, aparecem em aventuras de LFR (Living Forgotten Realms). Podemos trabalhar arduamente criando grandes aventuras e ainda assim não escapar aos padrões de criação tradicional de encontros. Os padrões nos confinam a interações previsíveis entres os PJs e o Mestre. Eles também restringem oportunidades.

Alguns exemplos:
? O formato escrito de qualquer desafio de perícia (e, portanto como eles são inseridos e como os jogadores reagem)
? A quantidade de combates em LFR (e, portanto, gerenciamento de recursos, táticas e tempo)
? Os tipos de recompensas numa aventura publicada (e, portanto, como os PJs são evoluem ao redor da magia)
? A quantidade de monstros num encontro (e, portanto, limita os tipos de batalhas, história e táticas dos PJs)
? A importância de lutar com monstros em relação a lidar com armadilhas ou desafios de perícias dentro do combate (jogadores se concentram nos monstros e inteligentemente ignoram o resto)

Estes padrões podem ser ok, até mesmo bons em algumas situações. Entretanto, os padrões podem ser rompidos e devem ser rompidos. Isto é especialmente verdade quando você quer que um cenário tenha uma sensação diferente, como com Dark Sun.


Um Método para Romper Padrões de Encontro
Um dos pontos fortes da 4a edição é que o trabalho do Mestre é bem menor. Não é necessário passar horas criando um monstro para que ele tenha alguns poderes de mago. Você não tem que fazer cálculos confusos de equivalência para descobrir XP, NE, ND e o nível de desafio apropriado. Você pode praticamente arrastar e soltar monstros e características num encontro.
Essas economias de tempo podem ser usadas em várias coisas, e uma das mais recompensantes é pensar sobre como romper com padrões de criação de encontro tradicionais para proporcionar uma história melhor, um jogo melhor e mais diversão. Vamos cobrir algumas técnicas básicas e se aprofundar nelas com o passar do tempo.

Primeiro Passo: A História
O modo mais fácil de romper com os padrões é fazer com que o primeiro passo na criação do encontro seja completamente não relacionado a mecânicas. Comece pensando primeiro sobre a história por trás de sua sessão de jogo (sessão, não encontro... uma sessão pode ter de zero a vários encontros).

Segundo Passo: As Regras
Após rascunhar ou pensar sobre a história e como você quer que os eventos se desenrolem, escolhas as mecânicas (se necessária, que melhor se encaixam na sessão). Certifique-se de que o quer que você use cumpra os objetivos da campanha e da história. Faça seu melhor para ter uma mente verdadeiramente aberta. Inspire-se em outros sistemas de RPG se isso ajudar.

Terceiro Passo: Ajuste Conforme Necessário
Durante o jogo, faça ajustes conforme necessário para manter seus objetivos ao alcance ao mesmo tempo em que tenta ter o máximo de diversão possível. Você pode ter uma cena mais solta, mas então você percebe que os jogadores querem jogar um pouco de dado. Faça um teste de perícia mais formal, mesclando sua cena de perícia solta com fracassos e sucessos de verdade. Ou, então, talvez o combate tenha um desafio de perícia, mas você tenha pouco tempo nas mãos. Remova o desafio de perícia (talvez mantendo uma perícia para usar para um efeito) e remova um monstro ou dois. Fazer ajustes na hora exige prática, mas é um grande jeito de ser um Mestre melhor. Não tenha medo de fracassar!

Exemplos de Dark Sun:
Na campanha Ashes of Athas os Administradores estão todos interessados em fornecer melhores experiências de jogo. Romper com padrões é um de seus principais objetivos na campanha, perdendo ênfase somente para a história. Não posso falar sobre Ashes of Athas sem estragar a surpresa, então compartilharei exemplos de minha própria campanha caseira. Caso jogue AoA, por favor nos conte o que pensa sobre os tipos de encontro alternativos usados nos fórums.
Aqui estão minhas duas últimas sessões de jogo de Dark Sun em alto nível.

Sessão 8: Um PJ se encontra com Abalach-Re, tornando-se seu templário. Os PJs deixam Raam na direção de sua vila natal ao sul da Bacia do Dragão. Eles querem parar para ver o druida que vive perto da vila, em busca de informação. Quero deixar uma dica sobre um novo inimigo, ter um pouco de diversão nos ermos, e ter uma luta com feras tradicionais do deserto.

Sessão 9: Os PJs estão viajando para a parte sul da Bacia do Dragão para a Floresta Crescente, buscando um antigo templo. Eu coloquei o templo perto de Lar Perdido (Losthome) (veja "Ivory Triangle", foi fundada por halflings que fugiram de Gulg).
O que não faço é começar a pegar monstros e mapas. Ao invés, o que faço é começar a pensar nos objetivos da minha história. No próximo artigo, irei compartilhar o processo de criação que usei para a sessão 8 e onde terminei.

Texto Original: Alphastream (Teos Abadia)
Tradução e Adaptação: Bruno Lopez Fernandes
Revisão: Fabrício G. M. Lopes

Encontre o texto original no link:
Projetos: Outros



© 2003-2007 Dark Sun Brasil, Todos os Direitos Reservados
DARKSUN, DUNGEONS & DRAGONS, D&D e o logo DARKSUN, o logo da WIZARDS OF THE COAST e o logo D&D são marcas registradas possuídas pela Wizards of the Coast, Inc. (www.wizards.com), uma subsidiária da Hasbro, Inc.
Este site é a tradução do site reconhecido pela WotC como o Site Oficial de Dark Sun na internet (The Burnt World of Athas - www.athas.org). O conteúdo criado neste site oficial é para ser considerado trabalho derivado (como se baseado na propriedade intelectual possuída pela Wizards of the Coast). Isto significa que adendos criados por fãs (tais como novos net livros, aventuras, etc.) são conjuntamente possuídos pelo criador e pela Wizards of the Coast. Nenhum poderá fazer nada fora do site oficial sem a autorização do outro.